quarta-feira, 10 de novembro de 2010

MUDO MUDAR

De laranja veste-se o dia e depois que quase todas as coisas se amornam, o sol vai se esvaindo por detrás das águas do mar e folga-se das gravatas o nó. Das gargantas, não. Algumas continuam com ele. Cada ser é um mundo, cada íntimo uma verdade, cada um com suas próprias mentiras, cada cantinho com seus segredos. Mesmo assim, nascem e morrem dias sobre todas as cabeças santas ou não. Parece haver um contrato que vela pela imutabilidade de algumas coisas.
Vão morrer pais, irmãos, mães, filhos, namoradas, inimigos, mas o sol vai nascer.
Vão nascer calos, filhos, bastardos, flores, espinhas, mas o sol vai se por.
Vão subir os preços, os juros, os aviões, os urubus, a pressão, mas tempestades vão cair.
Vão descer caixões em covas, madeiras cortadas, as portas de um comércio falido, a mão de um ignorante no dorso do filho, mas vai girar o mundo.
É assim todo o dia. Uma sinfonia de notas iguais compõe a não-mudança.
E enquanto rola o desdém dos segundos, do movimento das marés, do mover das nuvens com nossas alegrias e dores, a única coisa que muda tudo [que é de se mudar] é a nossa atitude frente as coisas.
Não faria sentido nascer e morrer tantas coisas, pessoas e dias se depois que o sol oscila imutavelmente entre o nascente e o poente, nada disso sirva para alimentar algo mais. 

4 comentários:

Marcelo disse...

Bem... Os mesmos ingredientes produzem sempre o mesmo resultado. Se queremos resultados diferentes algo tem de mudar...

O Sol é sempre bom exemplo no que tange a imutabilidade de coisas boas (aconteça o que tiver de acontecer, o Sol vai nascer e se por todos os dias). Isto me remete às minhas premissas que me servem de base para muita coisa em minha vida.


Beijo.

Sâmia. disse...

Bem... eis aqui as minhas "premissas" para escrever este texto:
"Tendes ouvido o que foi dito: Amarás ao teu próximo e aborrecerás ao teu inimigo. Mas eu vos digo: Amai os vossos inimigos, fazei bem ao que vos odeia, e orai pelos que vos perseguem e caluniam, para serdes filhos de vosso Pai, que está nos céus, o qual faz nascer o seu o seu sol sobre bons e maus, e vir chuva sobre justos e injustos. Porque, se não amardes senão aos que vos amam, que recompensa haveis de ter?"

E é por isso que digo:
"a única coisa que muda tudo [que é de se mudar] é a nossa atitude frente as coisas."

Você choveu no molhado ou é impressão minha?

Keury Rodrigues 2008.1 disse...

Eu gosto tanto destes traços...
Sâmia, você acalma meus dias com o que escreves...
ADOROOOOOOOO

Sâmia disse...

Keury,

Sua visita sempre me alegra!!! Muito obrigada!!!
Se estas palavras têm o condão de acalmar e suster, então vou me empenhar sempre para colocar luzes no que eu disser!

Um forte abraço,
Sâmia.