segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

"MEU AMIGO"

Como deve ser a vida daqueles que não têm a quem chamar de "meu amigo"?
Deve ser triste e dessa tristeza não sei, pois dos caminhos onde andei
Sempre os tive comigo.
Às vezes estavam ali escondidos de mim numa ajuda silenciosa
Eu, muito orgulhosa, achei que consegui sozinha
Hoje reconheço que de solidão jamais padeci;
Se gritei e não os via não é que estava no vago
Mas mergulhada no lago de minha própria melancolia
Cegava-me de medo ou fugia.
Permiti-me ser cuidada e de cuidados ser o alvo
Aprendi que nem sempre posso ser flecha
Aceitar amor é mais que merecer
É saber abrir a alma, ser humilde e receber.
Aprendo todos os dias com meus amigos
Que a alma que não se permite ser abrigo
Pode ter todas as coisas do mundo
Mas vive uma vida inteira sem nada ter.


{Dedico estas palavras aos visíveis Marcelo, Irlena, Vania e Luiza}

3 comentários:

Marcelo disse...

Me senti O CARA agora!

Eu já me senti sem amigos e (curiosamente), na época, não senti falta. Atualmente digo que (por sua causa) não conseguiria viver sem amigos.

Beijão, querida!
Marcelo

Maria Helena disse...

Eu tenho a honra de dizer que sou sua amiga, uma amizade sólida que nem o tempo nem a distância jamais vai destruir.Beijos... Saudadezona !!! Aninha

Louise Chérie disse...

O que comentar diante de palavras tão lindas?

Só quero que saiba que meu coração será abrigo sempre que precisar!